terça-feira, 6 de outubro de 2009

OS ARCOS DE SÃO LOURENÇO

"ARCO: em Arquitetura é uma curva que descreve uma abóbada e que se apoia por suas extremidades em dois pontos sólidos."

"O termo arco, do latim arcus, designa um elemento construtivo em curva que é arredondado,normalmente, geralmente em alvenaria, que emoldura a parte superior de um vão (abertura, passagem) ou reentrância suportando o peso vertical do muro em que se encontra".

Acredito que a melhor demonstração da beleza dos Arcos, aqui em S. Lourenço, esteja no abandonado Casarão do Cafundó, obra única e especial.

"Os construtores da antiguidade dispunham de limitados materiais para fazer suas
construções. Entre esses materiais tinham a madeira e a pedra. A madeira, pela sua
pequena resistência e pouca durabilidade não era dos melhores materiais. As pedras
apesar de difíceis de serem removidas e trabalhadas, apresentavam grande resistência
a compressão e grande durabilidade".

Muito usado esse tipo de varanda em arco. Dá graça e leveza à construção.

"Foram desenvolvidas então, técnicas para melhor
se aproveitar essas características da pedra. Os etruscos iniciaram e depois os
romanos aperfeiçoaram a construção de arcos".

No Educandário, do Bairro Estação, algumas janelas são em Arco, e lá no alto o Arco serviu para redoma da Virgem Maria.


"Conseguem-se vãos muito maiores com
arcos do que com vigas retas, por isso eles são muito usados na construção de pontes
e viadutos. Arcos podem vencer vãos de cerca de 300 metros e se forem metálicos
podem chegar a 550 metros".

Belíssimas portas em Arco, da linda Escola Melo Viana.


"TIPOS DE ARCOS EM ARQUITETURA
Os arcos gótico e ogival foram muito empregados nas aberturas das catedrais
góticas (portas e janelas)."

As varandas em Arco dão graça e aconchego a parte antiga do Hotel Guanabara.

"Os arcos tudor, otomano, mourisco e ferradura foram
utilizados nos vãos da arquitetura mourisca (sarracena). O arco ferradura é
característico da arquitetura árabe na Espanha"

O tradicional Grande Hotel também usou o Arco nas varandas, onde passei momentos muito agradáveis na minha infância/adolescência.


"Existem muitos outros arcos como:
arco angular, truncado, poligonal, zig-zag, redondo, escarzano, elíptico, peraltado,
apontado, carpanel, deprimido côncavo, deprimido convexo, georgiano, ogival
quebrado, agudo, tudor espanhol, tudor inglês, flamígero, multilobado, angelado e florentino"

Outro hotel que usou o Arco em sua varanda foi o Hotel Granada, criando um ambiente fresco e confortável.

"Das diversas aplicações que um arco pode ter, observa-se principalmente a sua utilização em portas, janelas, pontes, aquedutos, como elementos de composição tri-dimensional de abóbadas, e até em paredes de retenção ou barragens (onde a pressão se efectua horizontalmente)"

A "bandeira" da imponente porta da Estação Ferroviária também possui um belo Arco em madeira.

"Muito usado em igrejas, o Arco é presença constante nas belas construções antigas, chegando até os tempos atuais com a mesma presença senhorial."

Fachada da Igreja Matriz de São Lourenço Mártir.

6 comentários:

  1. lazara valparaizo /go6 de outubro de 2009 16:21

    oi flora que casarão sombrio parece não conter uma energia muito boa,fiquei curiosa pela historia oculta que cada lugar postado aqui deve ter,Que igeja linda,cheia de detalhes,aaadorei tudo.
    parabéns.
    abração

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Lázara, pela visita e comentário.

    O Casarão é muito estranho mesmo.
    Alguns já disseram que tem uma energia ótima, outros sentiram-se mal lá dentro.

    Nossa Igreja Matriz de São Lourenço é muito linda mesma, coberta de pinturas. Já coloquei várias fotos dela por aqui e no Flora da Serra.

    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Salve, Flora!

    Seria bom ver um relato seu sobre a história do Casarão, sua construção, seus habitantes, quem era o Seixas, quem era o arquiteto, porque foi abandonado e depredado pela população local.

    Me parece que o lado sombrio pertence mais ao estado de abandono e de descaso (responsabilidade do poder público municipal, dono da construção) em que se encontra o Casarão do que a qualquer energia própria do local.

    Nós que conhecemos o local podemos imaginar como ele seria se estivesse reconstruído e com certeza dentro dessa perspectiva todo o seu lado luminoso e belo se apresenta, naturalmente, aos olhos da imaginação.

    Quem sabe um dia ainda não logramos o milagre de vê-lo reconstruído? Quem sabe um dia não tenhamos ali um centro de estudos ambientais?

    No intento,

    F.A.

    ResponderExcluir
  4. Ai, Fernando...
    Já não sei mais o que esperar para o Casarão.
    Vamos ver o que acontece...

    Beijo

    ResponderExcluir
  5. Cheguei aqui procurando mais informações sobre o casarão. Uns amigos meus que moram lá perto contam umas coisas interessantes - como quartos grandes com portinhas pequenas, espadas, baús, uma tal caixa de abelhas...
    Uma amiga minha (a última que me falou desse lugar) disse que o cara que morava lá (amigo do Paulo Coelho) fazia rituais de magia negra e raptava crianças, por isso começou a ser perseguido e fugiu. A casa foi saqueada e abandonada.
    Eu já tinha ouvido a história das festinhas de magia, mas a gente não sabe o que é verdade e o que é fantasia, né?

    ResponderExcluir
  6. Oi, Anônimo de 26 de maio de 2014:
    Infelizmente, as histórias que contaram para você são todas falsas !!!
    Apenas existiam espadas - que foram roubadas - e eram meramente decorativas.
    E a casa foi saqueada sim, e muita coisa que lá existia desapareceu, mas porque o proprietário deixou-a vazia, sem alguém que tomasse conta.
    Também ouvi dizer de um bode preto, cadáver enterrado lá, e uma quantidade enorme de histórias criadas pelo imaginário popular.

    Espero ter respondidos suas dúvidas.
    Obrigada pela visita e comentário.

    ResponderExcluir

RECEBER SUA VISITA É MUITO BOM !
LER SEU COMENTÁRIO, É MELHOR AINDA !!!